9 de junho de 2011


Jeffrey Michael Harp

Os cabelos algam o rosto de mar

os olhos feridos de distancia

depenham-se pele abaixo

como um vulcão

puros e salgados

escorrem pelo coração.

6 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

gostei do poema com cheiro de mar, e que pode ser lido tambem no sentido de baixo para cima que não lhe tira o sentido.

bom feriado!

beij

Lilazdavioleta disse...

Tenho que o visitar com mais frequência .
Os poemas são lindíssimos .

Smareis disse...

Poema lindíssimo, palavras cheia de muita sensibilidade. Voltarei mais vezes. Um Abraço!

Graça Pires disse...

Quando o corpo e o mar se confundem...
Gostei do poema.
Beijos.

Tiago Chaves disse...

fã da obra de Jeffrey Michael Harp...poema excelente tbm...

Vieira Calado disse...

Olá, boa noite!

Também não conhecia este seu blog.

Achei-o interessante e variado!

Saudações poéticas