23 de dezembro de 2010

20 de dezembro de 2010

Por Outro Lado a Sombra

"Caramel" - Nadine Labaki

Por outro lado a sombra
Contrapeso dos ossos e da carne com os seus nós de marinha avisada do mau tempo
o nojo e a insónia para cortar à dentada
o tempo aberto à boca da desolação
poderia ser uma praia para escorrer a palavra errada
carícia penetrante e funda por dentro
Se
alguma vez regressasses para seres quem sonhas ser
Compreenderias o luar partido pela cintura
E o país de clepsidras destruídas onde atravesso a rua como um gato marginal
As águas que surgem dos bolsos rotos das nuvens
Movem as sombras paralelas aos rostos
Alimentam a noite por dentro
veleiro breve e luminoso
baunilha
piano
fantasma e engrenagem
Sexo de espuma partida contra a praia sem nome e sem pressa
A pele exposta á evidência das horas inquietas
Digo ás minúsculas contracções do coração convém
O mais alto céu dos que se despem em flor e desassossego.